top of page

Sat, 17 Jun

|

Ateliê 397

DAQUI DEZ ANOS - 17.06

Dez anos após as revoltas que ocorreram no Brasil ao longo do mês de junho de 2013, a GLAC edições em parceria com o Outras Palavras e o Ateliê397 propõe um programa público, para ocorrerem durante o mês de junho de 2023, a fim de pensar, praticar e imaginar paralelos possíveis para daqui 10 anos.

Registro confirmado
Veja os outros eventos
DAQUI DEZ ANOS - 17.06
DAQUI DEZ ANOS - 17.06

Time & Location

17 Jun, 13:00 – 20:30

Ateliê 397, R. Cruzeiro, 802 - Barra Funda, São Paulo - SP, 05022-050, Brasil

Guests

About the event

Em decorrência dos dez anos após as revoltas que ocorreram no Brasil ao longo do mês de junho de 2013, a GLAC edições em parceria com a plataforma jornalística Outras Palavras e o espaço cultural independente Ateliê 397propõe um conjunto de ações, em formato de programa público, para ocorrerem durante o mês de junho de 2023 e início de julho, o seguinte projeto, a fim de pensar, praticar e imaginar paralelos possíveis para daqui dez anos nas lutas que virão. O que poderá ser 2033?

O que ocorrerá? 

·  3 Confabulações (palestras) com 3 convidados (3 encontros)

·  5 Conversações públicas (debates) com 20 convidados (4 encontros, 1 por semana)

Onde

·  Ateliê 397 — R. Cruzeiro, 802, Barra Funda, São Paulo – SP

Quando

·  Dias 09, 17 e 24 de junho de 2023

*

09 DE JUNHO — SEXTA-FEIRA (extensão do feriado de Corpus Christi)

Confabulação 13h-14h30 As revoltas afropindorâmicas

com Mestre Joelson Ferreira (Teia dos Povos)

Uma perspectiva autonomista acerca das insurreições afro-brasileiras, que reconta a história das lutas dos povos ancestrais diante de sua integração com a natureza e sua inerente autogestão comunitária.

Conversação pública 15h-17h30

Campo e periferia urbana à revolução

com Mestre Joelson Ferreira (Teia dos Povos), Júlio Guató (Teia dos Povos), Alana Morais (UFRJ) e Gabriel Rocha 

Um encontro entre militantes-intelectuais para discutir e propor os primeiros passos para a constituição de um programa revolucionário diante da união entre o campo e a periferia urbana.

*

17 DE JUNHO — SÁBADO

Confabulação 13h-14h30

As revoltas dos estudantes da idade média

com João Gomes (medievalista)

O historiador, quando foi convidado a conversar com um grupo de teatro e performance formado majoritariamente por secundaristas que lutaram nas ocupações de 2015 e 2016, projetou um curso inteiro sobre o conjunto de motins e revoltas estudantis ocorridas ao longo da idade média em países europeus. Uma exposição dos vínculos históricos das lutas secundaristas contemporâneas.

* Esta exposição é a introdução e apresentação geral para o curso com 4 encontros de 2h30 cada, para ocorrer uma vez por semana até o fim de junho, ofertado pelo palestrante na sede da GLAC edições.

Conversação pública 15h-17h30

As pedagogias das revoltas periféricas

com André Caramante/a confirmar (Ponte Jornalismo), Guilherme Brasil (Ocupação dos Imigrantes/MLB) e Carolina Freitas (Centro de Estudos Periféricos), Rodrigo Santos Andreoti (Ktarse)

Três diferentes pensadores da periferia se unem para apresentar como pensam as especificidades das lutas e motins das periferias urbanas por meios da mídia, da ocupação e da educação.

Conversação pública 18h-20h30

Destituir o cotidiano, preparar-se para intervir

com Frederico Ravioli, Mayara Vívia, Caio Martins e Gabriel Ussami (ex militantes do Movimento Passe Livre);

As intervenções públicas ilegais são provindas de diversos contextos, determinadas a diferentes fins e detêm indiscutivelmente um caráter político. Como se pensa uma intervenção? Onde, quando, como e por qual motivo realizá-las são questionamentos de fundo neste encontro, que discutirá o pensamento estratégico e a educação social pelo ato radical da intervenção nas cidades com artistas e militantes de diferentes enquadramentos.

*

24 DE JUNHO — SÁBADO

Confabulação 13h-14h30

Fazer política com nada

com André Mesquita (MASP/Red Conceptualismos del Sur)

O curador e pesquisador fará uma apresentação sobre intervenções artísticas e ações coletivas que trouxeram reverberações às lutas autônomas na América Latina e nos Estados Unidos, a partir de dois de seus projetos curatoriais realizados nos últimos dez anos, como modos de fazer no presente apontando para futuros possíveis.

Sessão de cinema + Confabulação 15h-17h30

Democracídio: a potência do cinema de quebrada

com Daniel Alves (Companhia Bueiro Aberto) e Leandro Almeida (Lixo Sonoro)

Ao longo de 2013 a companhia de cinema periférico Bueiro Aberto foi criada e seu primeiro filme se deu ao longo das manifestações de junho com uma câmera nas mãos e uma pergunta: O que é a democracia na periferia?. Assistiremos o filme Democracídio e logo após os convidados irão apresentar as produções diversas e heterogêneas de uma gama enorme de grupos, coletivos e aglomerados de produtores de cinemas das periferias do Brasil, para pensar a autonomia da produção cultural após as jornadas de junho.

Conversação pública 18h-20h30

Como e porque produzir imagem de manifestações

com Fernando Sato (Jornalistas Livres), Sérgio Silva (fotógrafo), Emanuela Godoy, Joana Barros (Unifesp)

Fotógrafos e produtores áudio visuais discutem os prós e os contras da produção de imagens em meio a manifestações populares. O que, como e por quais motivos fotografas e filmar as insurreições?

Share this event

bottom of page