0
  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube - Black Circle
site1_edited.png
O vírus como filosofia, Andityas & Francis

O vírus como filosofia, Andityas & Francis

O vírus é algo que, não sendo nem vivo nem morto, invade um corpo – individual ou social – para arrancá-lo da normalidade e desafiar suas potências. Nesse sentido, a filosofia, esse pensamento carente de fundamentos últimos – porque sempre mutantes – pode ser entendida como um agente viral capaz de contribuir para o desafio de compreender e agir em um presente como o nosso, quando atingimos uma zona de indeterminação que parece se renovar a cada dia. Só o pensar crítico-filosófico é capaz de ir além das narrativas convencionais que veem na atual pandemia do COVID-19 um problema médico-sanitário e econômico e nela enxergar o que de fato é: uma intrusão totalizante e incomensurável na rotina do planeta, que pode dar lugar a uma nova ética do comum e do cuidado ou a um enorme dispositivo biopolítico à disposição dos governos e dos mercados para o incremento do controle e do disciplinamento. Diante desse cenário em que o futuro está suspenso e permanecem abertas as possibilidades de destituição do capitalismo ou de seu aprofundamento, tanto em sua versão neoliberal ocidental quanto em sua versão autoritária-algorítmica oriental, este livro pretende ler a pandemia a partir de sua inadequação em relação às díades que marcam nossa experiência, tais como natureza e cultura, indivíduo e sociedade, vida e morte etc. Para tanto, são discutidas algumas das recentes interpretações filosóficas dedicadas à pandemia, de modo a destacar sua insuficiência quando confrontadas com o radicalmente novo, que só pode ser entendido a partir de uma consideração de seu caráter agenciador de subjetividades. Isso quer dizer que, mais do que uma doença do corpo, a pandemia tem se mostrado como um limite imposto ao pensar que é preciso superar. Espalhando-se graças à logística e às redes globais do capital, a pandemia coloniza os afetos, impondo medo e pânico onipresentes dos quais pode resultar uma completa reorganização mundial sob o signo hobbesiano da segurança, em especial considerando a desigual distribuição dos riscos entre ricos e pobres, jovens e idosos, Norte e Sul. Dessa maneira, para enfrentar a pandemia é necessário – além de médicos, hospitais, drogas e medidas de segurança – atingir um estado de clareza mental que só uma filosofia da vida – e não simplesmente sobre a vida – pode constituir, indicando as zonas de fuga, as dimensões biorresistentes e as formas de eclosão de uma bioemergência que nos exige que mutemos, como fazem os vírus, para que possamos sobre/viver. 

  • Descrição

     

R$36.00Price

No product

cofbdbfçgf chablaus

produção: GLAC edições

edição: alex flynn e leonardo araujo beserra

tradução: aurore zachayus; fabio morais; lucas parente; noara quinta; revista punkto.

revisão: gustavo colombini

2017

leia um trecho do livro.

descrição

Claire Fontaine é um coletivo de arte de Paris, criado em 2004, formado pela italiana Fulvia Carnevale e pelo inglês James Thornhill. A prática de Claire Fontaine se caracteriza como interrogação e reflexão constantes sobre a impotência política e a crise da singularidade do sujeito, que aparentemente definem, aos seus olhos, a arte contemporânea atual. Se o artista da atualidade é o equivalente subjetivo de um urinol ou de uma caixa Brillo - tão descolocado, tão privado de valor de uso e tão trocável quanto os produtos que produz - a perspectiva que lhe sobra é única, a greve humana.

fique por dentro dos nossos lançamentos, promoções, atividades, conteúdos e projetos assinando nossa newsletter:

PARA LER COM O CORPO!

2019. GLAC edições. design e desenvolvimento por Pablo Vieira.

© GLAC edições 2020

 

rua conselheiro ramalho, 945,

1º andar, sala 4, bela vista,

são paulo – sp, 01325-001

cnpj:19.884.010/0001-65

ie: 126.272.212.119